Os amores que não tive escolha de amar e amar


Ninguém é bom por acaso; a virtude deve ser bem aprendida.




Se você pudesse escolher, em que geração gostaria de nascer? Na antiga ou na atual?

Cada uma tem suas características, seu grau de evolução e liberdade, suas vantagens e desvantagens.

Antigamente as coisas eram menos evoluídas, a medicina muito mais precária e as informações não chegavam às pessoas. Mas será que evoluir só nos trouxe benefícios?

Com a evolução de certos eletrônicos, as máquinas passaram a ocupar o lugar do Homem, os brinquedos estão dominando a cabeça das crianças e as pessoas estão se tornando cada vez mais materialistas, pois sempre almejam o mais moderno e prático.

A família está muito mais desunida, o pai e a mãe trabalham o dia todo, os filhos são criados pelas babás com pouco amor e atenção. Antes o pai era o responsável pelo sustento da casa, a mulher sequer estudava, cuidava somente do lar e dos filhos, que eram muito mais apegados aos pais. As pessoas eram muito mais religiosas e os casamentos eternos.

Hoje em dia, os casais são mais liberais e já aceitam a separação como uma coisa absolutamente normal. Os pais acolhem a opinião dos filhos e estão lhes dando muito mais liberdade.

As crianças com 6, 7 anos, já possuem celular, computador. Não seria esse um jeito para os pais dividirem a sua responsabilidade? Pois com um celular localizam seus filhos imediatamente. E será que um computador ou jogos modernos e caros substitui o amor? A atenção?

As pessoas estão muito vaidosas, preocupando-se somente com a imagem ao invés de se importarem com os valores reais, seus valores internos.

E agora, será que você já consegue escolher quando gostaria de nascer? Infelizmente essa escolha nós não temos. A próxima geração não escolherá nascer, e realmente eles não merecem sofrer as conseqüências de atitudes erradas que estamos tomando hoje.

Vamos transformar nossos erros e tentar proporcionar um futuro melhor do que aquele que recebemos, para as gerações futuras.






Infância e juventude, as melhores épocas da vida. Ao menos é o que dizem os adultos, os mais velhos, enfim todos que já passaram por essa experiência.

O tempo não volta e faz as coisas se transformarem. Tudo muda com o tempo: as famílias, as relações, as pessoas.

A juventude dos meus avós, até a dos meus pais, foi muito diferente da que está sendo a minha. Antes, os jovens não podiam opinar nas decisões; hoje em dia, geralmente o que nós pensamos conta. Porém, embora possamos nos expressar melhor, estamos perdendo os nossos valores, perdendo o respeito pelas pessoas, até mesmo por nossos pais. Aqueles que se dedicam para o nosso aprendizado, nossa educação e desenvolvimento.

As famílias estão diminuindo, mas isso não seria problema se elas não estivessem se distanciando. A tecnologia está fazendo com que as crianças prefiram passar horas em frente do computador, a sair, brincar ao ar livre, exercitar-se, usar todo o potencial do seu corpo.

O jovem de hoje em dia tem muito menos responsabilidades. Ajudam, mas não como em outras gerações. Agora se preocupam em serem iguais. Quanto mais iguais a todos forem, melhor aceitos seremos. A sociedade impõe o que devemos ser, o que devemos fazer, o que devemos pensar, e se não fizermos as coisas de acordo, seremos mal compreendidos.

É difícil mudar. Somos o que todas querem que nós sejamos: mais um no meio de todos, com os mesmos atos, as mesmas idéias. Se as gerações continuarem assim, o estrago vai ser tamanho que será irreversível.

Vamos fazer com que sejamos lembrados como a geração das mudanças. Vamos mudar nossa maneira de pensar e agir e deixar para as gerações futuras tudo que faltou para a nossa.